Em carta ao papa, prefeitos brasileiros pedem dinheiro para soluções climáticas

No Vaticano para participar de audiência com o papa Francisco, uma comitiva de prefeitos brasileiros vai entregar uma carta ao pontífice na qual pede que países desenvolvidos transfiram recursos e tecnologias diretamente às administrações municipais, “em especial aos mais pobres”, para soluções climáticas.

Liderada pelo prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), presidente da Frente Nacional de Prefeitos, a comitiva se encontrará com o papa durante um workshop sobre ações das cidades relacionadas a problemas como condições de trabalho análogas à escravidão e mudanças climáticas.

Os políticos brasileiros, incluindo também o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) (apesar de ser signatário da carta, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), não acompanhou a comitiva ao Vaticano) fazem parte de um grupo de 60 representantes de cidades de todo o mundo, como Berlim, Bogotá e Paris, além de ambientalistas e especialistas em questões urbanas.

O encontro será nesta terça, a partir das 11h de Roma (16h no Brasil). Na quarta, os prefeitos participarão de um simpósio sobre desenvolvimento sustentável.

Os eventos dão continuidade à encíclica Laudato Si’, lançada por Francisco no mês passado. Nela, o pontífice defendeu medidas relacionadas ao ambiente e a uma “nova definição de progresso”.

Financiamento

Na carta, a comitiva brasileira diz que há prefeitos brasileiros adotando medidas para diminuir os danos do desenvolvimento das cidades ao meio ambiente. E pede dinheiro.

“Propomos a transferência de recursos e tecnologias dos países desenvolvidos aos países em desenvolvimento, em especial aos mais pobres, e diretamente às cidades”, afirma o documento.

As medidas do ajuste fiscal do governo Dilma Rousseff afetaram também as gestões estaduais e municipais.

No ano passado, o Congresso Nacional aprovou projeto, sancionado pela presidente, permitindo que as administrações renegociassem suas dívidas com a União com condições melhores. O governo federal, porém, quer que as mudanças só sejam adotadas em 2016.

Prefeitos como Paes e Haddad, que é do mesmo partido da presidente, entraram na Justiça pedindo que a regra fosse adotada já neste ano.

No documento que será apresentado ao papa, os políticos reivindicam ainda que a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheça os governos municipais “como atores fundamentais na promoção da sustentabilidade global e do desenvolvimento humano”.

*Por 

Fonte: BBC Brasil

Leave comment

Erica no Facebook

Facebook Pagelike Widget

Erica no Instagram

Erica no Twitter